sexta-feira, 23 de abril de 2004

Experiência à Fricção

MINHA PRIMEIRA EXPERIÊNCIA A FRICÇÃO




Tava dando uma olhada no blog Em Algum Lugar da Minha Memória, na matéria sobre os bonecos de super-heróis da Gulliver e me veio à memória o tempo eu em eu anelava pecaminosamente ter algum brinquedo que fosse a controle remoto... que apenas se mexesse... sozinho.

Quando eu via um Autorama, um Ferrorama, qualquercoisarama, que se movesse sem precisar usar de força manual para causar um ilusório movimento por alguns microssegundos... EU DESEJAVA. Eu apenas observava, mas no fundo eu...DESEJAVA!!!

Minha mãe não podia sair por aí comprando brinquedos para um pois, daí, ela teria que comprar para os outros três que começariam a choramingar. Bom eis que eu comecei a trabalhar, digamos, beeeem cedo... e não estou falando de acordar de madrugada. Daí que com meu primeiro "salário" (pfff) eu quis me aproveitar e comprar algum desses brinquedos que andam sozinhos.

Bom, quando saí com minha mãe, não disse nada a ela, apenas peguei o que queria na loja em que estávamos e paguei com MEU dinheiro (uaaau!). Claro que fiquei meio frustrado ao descobrir que não dava para um Ferrorama, pois seria preciso uma dinhei-RAMA (huahauahauhaua... eu tô demais...ai!). Depois de me conformar, e ver que não daria para nada que se mexesse apenas a controle remoto ou mesmo colocando-se a pilha e vendo ele andar pra lá e pra cá, eu comprei uma... MOTO A FRICÇÃO DO CAPITÃO AMÉRICA.

Por isso quando vi a matéria do blog citado me lembrei, pois creio eu que aquele brinquedo também era da Gulliver. E como eu me diverti. Meu Deus! Eu aprendi até mesmo a fazer a moto correr dando um cavalo-de-pau! Se alguém leu a matéria que escrevi sobre álbuns de figurinhas no Sobrecarga, deve lembrar que citei que eu tinha muitas figurinhas repetidas do álbum O Retorno de Jedi. Pois bem, além de castelos de "cartas", eu não citei na matéria, mas eu fazia RAMPAS para a moto saltar!!!

Como a gente se torna criativo, quando se tem pouco. E como podemos esquecer que temos pouco, e apenas se divertir. Essa moto, com o Capitão América sentado nela foi uma parte importante da minha vida. Acho que até se pode fazer um paralelo com o Rapadura Açucarada e tudo o que aconteceu aqui: pela diversão... eu vou até onde for POSSÍVEL para conseguir o que quero! FUN! FUN! FUN!

Nenhum comentário:

Business

category2