domingo, 27 de junho de 2004

Mil Vezes

MIL VEZES

Quando eu partí mais de mil vezes, você sabia
Sabia que eu retornaria
E te chamaria de meu bem, como nunca
Nunca chamei ninguém

Ficaria em seu colo, você alisando meus cabelos
Como só você sabe fazê-lo
E eu, num arroubo de carinho, te amaria mais
Mais do que sou capaz

Te beijaria, num beijo eterno e surreal
Mas não um beijo banal
Seria beijo com uma palavra nova, abstrata
Beijo de vida que a saudade mata

E na tua janela aberta, onde tu estás
Eu te esperaria chegar
Então uma flor eu jogaria
Flor com aroma de poesia

Nenhum comentário:

Business

category2