segunda-feira, 5 de julho de 2004

Janela Para o Luar

JANELA PARA O LUAR

Estou quase a dormir quando reparo a lua pela janela
Percebo o brilho que de longe me aproxima de ti
Penso o quanto a lua marca uma distância
E chego a conclusão de que o longe não existe

Da janela para a lua, que do meu quarto vejo
Penso no desejo que posso fazer a ela
Você sorri e diz desejos se fazem a estrelas cadentes
E eu respondo que desejos de amor se fazem a lua

Jogando seu brilho pela estrada lá fora, vejo de onde estou
Você se aproximar
Trás nas mãos um pedaço do luar
Nem mesmo sei como dizer o que sinto
O sono embaça minhas palavras

Quando você canta a música em meu ouvido
Sinto como se fosse a lua cheia a me despertar
Do minguante estado que estou, meu coração vira crescente
Uma nova lua que parece me mostrar cada vez mais você

Minhas palavras soam incoerentes e nem mesmo a poesia
Parece fazer sentido
Meus olhos ardem de sono e tento me manter lúcido
Olhando a lua pela janela

Teus cabelos negros fazem um contraponto com o brilho
Teus olhos de um singelo olhar penetrante
Penetram como o brilho dela, em minh'alma
É lua, amiga do sol
Distantes um do outro, mas compartilhando a mesma luz

Começo a colocar palavras na areia, sob o luar
E da janela eu me vejo fazendo tal coisa
Vejo que escrevo palavras na areia
E você segura minha mão

Da janela vejo a lua, e vejo a nós dois
As palavras são agora como uma carta
Escrita na areia
Sinto tua mão sobre a minha

Acho que o sono me venceu e já estou dormindo
Sinto teu cheiro cigano, teu beijo
Nem mesmo percebi que a lua que eu observava
Da janela que eu mirava, era somente você

Nenhum comentário:

Business

category2