quinta-feira, 10 de julho de 2008

Tudo Sobre Gibi

TUDO SOBRE GIBI... NA MINHA VIDA Quase Tudo Pois Minha Memória Não é a Mesma

Minha memória mais antiga referente a revistas em quadrinhos é apenas uma, que nunca esqueço: eu ganhando uma quantidade enorme de revistas de uma de minhas tias, e depois elas sendo subtraídas de mim por meus tios, irmãos dela. Me deixaram apenas com uma do Riquinho, pois eles não gostavam. Infelizmente... nem eu.

Eu ainda não sabia ler, mas obviamente fiquei chateado com o acontecido. Acho que aprendi a ler logo, para poder saber o que estava escrito naqueles quadrinhos tão cheios de ação e tão coloridos, e não ter a desculpa de ter minhas revistas roubadas por não saber ler.

Minhas tias e minha mãe me fizeram um apaixonado por quadrinhos. Me davam revistas quase sempre. Não entendo porque dos quatro filhos, apenas eu peguei o gosto pela leitura, e não só de quadrinhos, mas de quase tudo.

Depois de um tempo minha mãe se viu louca com a quantidade de gibis que eu mesmo comecei a comprar. Ela dizia apenas, "tu quando começa com uma coisa, hein, Eudi". Mas, eu gostava de ler quadrinhos tanto ou mais do que assistir TV ou mesmo brincar. E, simplesmente não entendi como é que todo mundo não gostava, assim como gostavam tanto de TV.

Eu lia todo tipo de gibi que me caía nas mãos e comprava tantos quanto podia. Lembro de algumas vezes ter ficado apenas na vontade, quando vi com um colega de escola a revista gigantesca (principalmente para uma criança) do Super-Homem X Muhammad Ali. Eu pensava, "mas peraí, o Muhammad Ali não é um cara que existe de verdade?". Lembro que, como não poderia ter aquela, devorei todo o conteúdo na hora do recreio e a devolvi (muito a contragosto), para meu colega.

Já deixei minha mãe de cabelos em pé, quando sumi para comprar uma revista (Disney Especial); já trabalhei quase que exclusivamente para comprar gibi, quase era pré-adolescente; já achei gibi raro perdido em pátio da escola, já perdi gibi raro que comprei em sebos muito escondidos; já tentei mostrar a outros como é legal ler gibi. Tudo isso quando era apenas um moleque.

Quando era adolescente, lia tantas revistas de super-heróis e via tantas aquelas cartas e desenhos publicados, que resolvi escrever pra eles, desenhar e enviar. Se ia ser publicado, eu duvidava seriamente.

Meu irmão já mostrava seu talento para a coisa e eu apenas dava minhas "cacetadas". Enviei desenhos tanto meus, quanto dele. Por incrível que pareça, foi publicado um (o desenho no início do texto), que era uma idéia minha, mas desenhada por ele. Saiu em uma revista dos Novos Titãs, e assim, fez justiça aos dois.

Quando fiquei adulto, caí na bobagem de seguir uma religião que, digamos, me "reprogramou". Nem mesmo gibi eu lia. Mas, tudo bem, era a década de 90 e não perdi grande coisa, a não ser Marvels. Depois que acordei e fui "re-reprogramado" de volta, ainda assim li bem pouca coisa, até que entrou o século 21, e descobri Planetary, scans, blogs, fóruns e o resto todo mundo já sabe.

Mesmo gostando muito de gibi, ainda assim só consigo vê-los como uma forma de diversão, um passatempo que me tira alguns minutos de órbita, indo para outros mundos ou, às vezes, até mesmo para esse aqui, em HQs mais realistas e, que mesmo assim, encaro ainda como passatempo. Não sei entrar em fóruns de discussão e tentar descobrir porque o Super-Homem voa, como as garras do Wolverine funcionam, ou se o Mark Millar é melhor que o Greg Rucka. Não tenho essa paciência.

Gosto de pegar a HQ, ler, me divertir, e deixar que tudo acabe ali, onde está escrito FIM.


Nenhum comentário:

Business

category2