sábado, 7 de julho de 2012

The Amazing Spider-Man


O ESPETÁCULO DO ARACNÍDEO:
PORQUE ÀS VEZES REBOOTAR É PRECISO

Image and video hosting by TinyPic


O primeiro filme do Homem-Aranha dirigido por Sam Raimi marcou época. Era a primeira vez que o aracnídeo ia para a tela grande com toda pompa e circunstância. Não era apenas uma colagem de episódios de um seriado trash da década de 70, que tinha o seu charme do tipo "já que não tem tu, vai tu mesmo", e que foi lançado nos cinemas como sendo um longa-metragem do super-herói. Não, agora era pra valer.

O segundo filme veio ainda com mais força, superando - na opinião de muitos - o primeiro. Isso talvez tenha se dado pelo fato de o vilão ser bem mais próximo visualmente daquele dos quadrinhos do que o Duende Verde do primeiro filme que parecia ter saído diretamente dos Powers Rangers. Mas, ainda assim, era tudo alegria para os fãs, mesmo com seus poréns. Até que veio o terceiro filme e a escuridão caiu sobre a Terra. Peter Parker emo, vilões até dizer chega, um pior do que o outro. Enfim, a despedida amarga de Sam Raimi e dessa fase do herói no cinema.

Tudo parecia terminado, até que os boatos do reboot, com novo diretor e novo elenco, começaram. Não me agradei do ator escolhido, não achei Ema Stone a Gwen Stacy certa, apesar de gostar da atriz (mas ela não corresponde). Não conhecia o diretor, por isso não podia emitir uma opinião. Quanto ao vilão, bom, era a única opção se quiséssemos que o reboot não reprisasse de cara os vilões dos filmes anteriores. Mas, eu sou pessimista por natureza, embora soubesse que veria esse filme no cinema como vi o primeiro e como se FOSSE o primeiro, como um bom reboot requer. E eu vi...

O filme divide opiniões e muitos acharam um sacrilégio recomeçar a franquia. Dá pra sentir em alguma vozes quase um endeusamento ao trabalho de Sam Raimi, coisa que não é bem assim. Duende Verde dos Power Rangers, não esqueçam. Mas, recomeçar é a coisa mais natural no mundo dos quadrinhos. Contar e recontar a origem de um herói também. Isso não é nenhum fim do mundo. Ok, às vezes é o fim de vários universos e realidades paralelas, eu sei. Mas, novas equipes de criação retomam o trabalho deixado por outros. Um novo "diretor" (o roteirista") assume, um novo "elenco" (o novo desenhista que traz o seu estilo aos personagens quase como se fossem novos "atores") e, de tempos em tempos, a origem dos personagens são recontadas ( no caso dos personagens da DC, toda semana).

Por isso não vi nada demais em que a origem do Homem-Aranha fosse recontada. Se fosse com um péssimo roteiro sim, seria um desastre novamente. Um novo Homem-Aranha 3. Mas o filme é coerente nessa parte. Dá nova roupagem mantendo a idéia original: aranha+picada+Peter Parker=Homem-Aranha.

Terem trazido Gwen Stacy e o disparador de teias fez com que a coisa fosse muito mais diferenciada dos filmes anteriores. Alguns reclamaram do uniforme, mas eu achei ótimo. E não é bem o uniforme que pode estragar um filme. Vide a vestimenta de todos os Batmen desde Tim Burton. Os de Cristopher Nolan faz parece que a cabeça de Bruce Wayne está dentro de um Kinder Ovo, sem contar essa coisa de armadura que sempre detestei (e não, não adianta argumentarem que é mais realista, vou continuar detestando). E, no entanto, os filmes de Nolan são pra lá de excelentes, com Kinder Ovo e tudo.

O filme tem um Homem-Aranha com mais humor que os de Sam Raimi, apesar de eu ainda achar que as piadas do aracnídeo nas telas ainda não chegam aos pés daquelas dos quadrinhos. Precisamos um Aranha mais piadista e sarcástico, que usa isso praticamente como uma de suas armas contra os vilões. Se não pode derrotá-los, irrite-os.

Mas, eu sei, vocês querem saber o que eu achei do filme, e que eu pare de enrolar (se é que há algum "vocês" aí do outro lado). Eu simplesmente adorei o filme! Me senti exatamente como me senti em 2002, estupefato. Parecia que eu estava vendo o filme do Homem-Aranha pela primeira vez, novamente, na tela grande. E acho que esse é o objetivo de um reboot (recomeço de franquia). O filme tem seus defeitos, como os anteriores também o tiveram. Não gostei do Lagarto. Afinal em 1993 tivemos "lagartos" em Jurassic Park que pareciam bem mais reais que esse de 2012! Talvez o fato ser um homem-lagarto complique mais as coisas, não sei. Mas, para esse fato de um vilão mal feito só há 5 palavras a serem ditas: Duende Verde dos Power Rangers.

O outro porém e a falta daquilo que é como o juramento dos Lanternas Verdes para o Homem-Aranha, a frase "Com grandes poderes vêm grandes responsabilidades". Por um momento eu pensei que a frase seria dita pelo tio Ben na mensagem gravada no celular. Seria no mínimo inusitado. Mas não rolou. Mas, fora isso, foi um grande filme.

Emma Stone É a Gwen Stacy. A atriz foi a escolha certa, com seu jeito meigo e tudo mais. Emma, me liga, vai! Andrew Garfield por vezes parece que foi desenhado pelo próprio Steve Ditko, desenhista que, junto com Stan Lee, criou o personagem.

Também houve reclamações sobre ser um filme para adolescentes. Bom, com tanto lixo sendo feito para essa turminha que apronta todas, que ao menos sejam feitos mais filmes para eles, como este O Espetacular Homem-Aranha. Menos Crepúsculos e mais super-heróis.


7 comentários:

Samedi disse...

Eu tbm gostei bastante. Tanto eu, como todos meus amigos, tivemos a mesma sensação, de que a frase "grandes poderes trazem grandes responsabilidades", seria dita no fim, na mensagem do tio Ben... Fazer oq, não rolou T_T
Mas achei, melhor inclusive, q filme, tipo o Thor, por exemplo \o
Sai do filme, querendo reler minhas hqs, e isto foi mt bom ^^

Guimarães Filho ? disse...

Às vezes não é nem a atriz que foi bem escolhida, mas sim o diretor que lapida bem.

Anônimo disse...

Eudes, estou aqui, leio seus artigos - nem todos - baixo muita coisa legal e agradeço por disponibilizá-las. Abs do Edu

Joërk disse...

Taí, sua crítica é uma das que valorizo no âmbito de HQ's, heróis e adaptações dos mesmos.
O que posso dizer? Sua crítica foi coerente e embasada, e não é para menos, vinda de um dos "magos" da coleção de quadrinhos.

Assistirei com feroz entusiasmo.

P.S.: Sobre o uniforme do Batman do Nolan, eu não fui muito fã da "aparência" de armadura, nem da máscara "oval demais", mas eu acho muito coerente, e prefiro, que o uniforme do Morcego seja à prova de balas, danos físicos severos, contusões, etc. Sempre detestei o uniforme feito simplesmente de "pano", além de ser demasiadamente irreal é extremamente incoerente. Como um bilionário, em uma época com armas tão variadas e mortais, sai às ruas para combater o crime vestindo um uniforme de simples tecido.

Gustavo disse...

Nesse filme, "com grandes poderes vêm grandes responsabilidades" virou "se você pode fazer o bem por alguém, você tem a obrigação de fazê-lo".
No geral, o roteiro desse é bem igual ao de 2002: vilão que se usa como cobaia e fica louco e ouvindo vozes, jantar na casa do "inimigo" (desta vez, o capitão Stacy, que acha que o Aranha é criminoso), final com alguém morrendo e pedindo ao teioso pra fazer uma promessa...
Senti falta do J. J. Jameson também, é um personagem ótimo (que o J. K. Simmons soube interpretar muito bem). Fora isso, é um filme legal, mas ainda prefiro o de 2002, com um nerd que não anda de skate.

Ali Coyote disse...

eu sempre achei o Homem-Aranha de Sam Raimi muito artificial, ou melhor, superficial. Apesar de conhecer o personagem e saber que ele é o "bom garoto",sempre me irritou muito assistir ao Tobey Maguire fazer aquilo. Era pureza demais, quase um santo, ahahaha. Agora, quanto ao novo, ainda não assisti, mas pelo trailer e o que alguns amigos me disseram, parece-me que ele bebeu na fonte da "juventude" americana de Kick-Ass: o garoto estadunidense comum, mas cheio de vontade. Se for isso mesmo, acho que ficou muito bom. Enfim, espero ir assistí-lo ainda esse mês. Grande abraço.

Anônimo disse...

Assisti-o ontem e apesar das inúmeras críticas, considerei-o bom! Emotivo, honesto, excelentes cenas de ação, mais fiel aos quadrinhos. Enfim, tem tudo para ser outra franquia de sucesso.

Business

category2