sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Não Conte a Ninguém


NÃO CONTE A NINGUÉM - 2006
(No Le Dis à Personne, Guillaume Canet)

Image and video hosting by TinyPic

Mesmo com todas as facilidades que temos hoje em dia de assistir bons filmes, nem sempre conseguimos dar conta de todos e muitos passam em brancas nuvens, principalmente filmes de fora do circuito EUA/USA. Ficamos tão acostumados aos filmes estadunidenses que deixamos de lados muitos filmes ótimos. Não Conte a Ninguém é um destes. Navegando pelo IMDB esbarrei com este filme de 2006 e a sinopse intrigante me fez querer assisti-lo.

Alexandre Beck (François Cluzet, de Intocáveis) é um pediatra bem casado, com seu amor de infância, que tem sua esposa, Margot (Marie Josée Croze, de O Escafandro e a Borboleta) assassinada. Isto de dá quando os dois estão tomando banho no lago à noite. Quando a esposa sai é atacada e assassinada e Alex é nocauteado, caindo de volta ao lago.

Oito anos depois começam a acontecer coisas estranhas. Apesar de ter sido suspeito na morte de Margot, nunca foi provado nada contra Alex. Atribuiu-se sua morte a um serial killer que vinha agindo na área. E tudo continuaria na mesma, se os corpos de dois homens não tivessem sido encontrados, enterrados próximo ao local onde ela foi assassinada.

Para complicar ainda mais as coisas, Alex começa a receber mensagens pela internet de alguém que diz ser Margot, inclusive enviando um vídeo em que a pessoa aparece. Alex começa a pensar que está louco, já que todos que foram ao funeral de sua esposa, viram-na ser cremada. Mesmo tendo sido instando, no e-mail que recebeu de sua suposta esposa, a não contar a ninguém porque estariam "sendo vigiados", Alex conta para a esposa de sua irmã. E, sem que Alex saiba, seu computador foi invadido e mais pessoas descobrem que essa suposta Margot o contatou, e começam a procurá-la. Pessoas perigosas.

Mas as coisas não param de se complicar. Alex é levado à delegacia, poir a polícia encontrou fotos que alguém (ou ela mesma) tirou, onde Margot está cheia de hematomas por todo o corpo. Apesar de não poder mais ser acusado de violência doméstica, pois a esposa está morta, Alex volta a ser suspeito de seu assassinato. Alex jura para sua advogada que nunca encostou um dedo em Margot e que nunca vira aquelas fotos antes. Alex procura a melhor amiga de sua esposa, justamente uma fotógrafa profissional, e indaga sobre as tais fotos. Ela diz nada saber.

O fantasma em seu computador marca um encontro para o dia seguinte, às 17 horas, em uma praça, ao qual Alex resolve não faltar por nada deste mundo. Mas, a fotógrafa que ele contatou é assassinada e ele foi a última pessoa vista com ela. Alex agora é um fugitivo da justiça... e das pessoas que também querem saber se Margot está realmente viva.

Em suas parcas investigações, feita enquanto foge, Alex descobre ligações entre o assassinato de Margot e do filho de um magnata, Phillipe Neuville. Margot e Phillipe trabalhavam juntos em uma instituição de caridade, que treinava crianças em hipismo. Isso em vez de esclarecer alguma coisa, só aprofunda mais o mistério.

Desvairado com a possibilidade dela estar viva, Alex vai ao pai de Margot, um policial aposentado, que identificou o corpo da filha, já que Alex estava em coma, e fez perguntas que deixou o pai enlutado furioso. Como estava o corpo? Estava mesmo reconhecível? Era mesmo Margot. Mesmo a contragosto, o pai de Margot narra a difícil tarefa que foi identificar o corpo de sua filha e depois expulsa um Alex, que só se sente mais confuso. Se era mesmo Margot morta, quem marcou um encontro com ele? Quem era a pessoa no vídeo que tanto se parecia com ela? Estava ficando louco?

Confesso que com essa salada toda eu pensei: esse filme não vai acabar bem. Qualquer que seja a explicação para isso tudo, não será convincente. Fazia mil conjecturas em minha cabeça, como quando lia os livros de Agatha Christie, mas cada uma era pior do que a outra. Achava que o filme seria uma grande perda de tempo, quando terminasse. Mas, me enganei.

A trama é explicada de uma forma incrível, com direito a uma pequena reviravolta dentro da reviravolta. O filme de Guillaume Canet não decepciona. Um suspense que não sente necessidade de distrair o espctador com perseguiçoes elaboradas, nem sustos despropositados. Apenas conta uma história de amor interrompido que segue inexoravelmente para um desfecho que ninguém espera. Se você souber, por favor, não conte a ninguém.

2 comentários:

Rodrigo Harlan disse...

Você tem o link para o torrent ??

Eudes Honorato disse...

http://kat.ph/ne-le-dis-a-personne-french-dvdrip-xvid-mp-t164332.html

Business

category2