domingo, 31 de agosto de 2014

Planetary - Volume 01 de 04


PLANETARY - VOLUME 01 de 04
Scans by Rapadura Açucarada/Onomatopéia Digital


Image and video hosting by TinyPic
PARA BAIXAR, CLIQUE AQUI


Era um dia qualquer de maio de 2002. Eu estava começando a voltar a ler quadrinhos, depois de perder toda a década de 90, o que não foi de todo um desastre. Algumas coisas eu estava apenas me atualizando, como Marvels ou Reino do Amanhã. Outras coisas estavam saindo naquele mesmo 2002, como Batman/Superman: Gerações, entre outras publicações. Mas, meu retorno ainda estava muito lento. Eu ainda não era o mesmo leitor de quadrinhos de antes de 1990, quando parei. Faltava algo.

Eu estava empolgado com os scans. Tanto para fazê-los, quanto para lê-los. Mas, ainda era aquele feijão com arroz. Eu ainda estava meio que numa espécie de piloto automático. Apenas fazia porque gostava. Eu os lia porque quadrinhos era algo que estava em mim, mesmo que eu tenha parado por um tempo. Mas, faltava o quadrinho que iria ser o símbolo deste novo começo. E, este quadrinho seria Planetary de Warren Ellis e John Cassaday.


Image and video hosting by TinyPic


E foi nesse dia de maio de 2002 que au vi a HQ nas bancas. Porém, confesso que comprei por causa de The Authority. Planetary acompanhava o título, que era um mix com dois supergrupos. Era estilo flip: a capa de trás era Planetary de cabeça para baixo, e a HQ era assim, também. Nem o título, nem a capa me chamaram a atenção. Três pessoas em uma escada de mármore. Um deles de cabelos e roupa branca, o outro sentado e cabisbaixo, parecendo estar com depressão e uma mulher imponente vestindo couro. Pensei, já que está aqui, vou ler. Afinal, era assinada por Warren Ellis, o mesmo autor de The Authority. Eu não sabia, mas era o começo.

Mesmo nunca tendo lido pulp fiction eu era fã de Doc Savage. Talvez tenha sido por causa do filme com Ron Eli (que fez Tarzan em um seriado) que vi quando criança. O subtítulo era muito chamativo: O Homem de Bronze. E, lendo este primeiro número publicado aqui pela Pandora, vi que a revista fazia uma homenagem - uma referência direta - a Doc Savage, na figura de Doc Brass. No decorrer da leitura percebi que fazia referência a outros heróis dos pulps. Mas, Doc Brass era o centro daquele conto.

O Planetary era composto por três pessoas com poderes singulares: Elija Snow, Jakita Wagner e o Baterista. Eram auto-intitulados arqueólogos. Mas, o que eles desencavavam era muito mais complexo que ossos e pedaços de cerâmica. Era a própria história do século XX e suas coisas mais estranhas e escondidas. Para nós, era a cultura pop. Seja dos quadrinhos, livros ou cinema.


Image and video hosting by TinyPic


O primeiro número trazia essa parábola sobre como o pulp fiction foi substituído pelos gibis de super-heróis. Era um acontecimento do nosso mundo real, representado graficamente. No fim, ainda temos o único sobrevivente, Doc Brass, como a lembrança que ainda temos dos pulps. Os dois números seguintes trariam referências a Godzilla, Mothra, o Corvo e aos filmes de John Woo. Aí então, a Pandora cancelou a publicação em seu terceiro número. E meu mundo desmoronou.

Mas, envolvido com os scans como eu estava, vi que a única solução era continuar eu mesmo, com a ajuda das pessoas que frequentavam o Rapadura Açucarada, e tentar traduzir e letreirar os próximos números, para não perder nada dessa HQ que já nascera clássica. Não fizemos os 27 números, mas eles foram terminados por outros fãs de Planetary, e eu os li todos.

Depois de a Devir e a Pixel tentarem lançar os encadernados e pararem no meio do caminho, finalmente eles foram publicados por completos pela editora Panini. Planetary estava, finalmente, completa em nosso mundo físico. E, foi assim que, em maio de 2002, eu voltara aos quadrinhos, com força total. Desde então, não parei mais. Os quadrinhos são um mundo estranho, e temos de mantê-los assim.


Image and video hosting by TinyPic


8 comentários:

sobral disse...

Uma daquelas maravilhas cujos scans disponíveis até agora mais parecem arqueologia.

Muito obrigado (novamente) por Planetary.

Anônimo disse...

S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L.!!!
Muito obrigado.
Vou varar a madrugada degustando essa edição.
Valeu!

Anônimo disse...

espetacular, planetary nao é quadrinhos, é historia...
hsm

robson firmino cavalcante disse...

isso mesmo, planetary/the authority representaram o retorno ou chegada de muita gente aos quadrinhos/scans, e ao mesmo tempo um patamar mental de qualidade do qual ninguém que iniciou ou recapitulou a leitura dos quadrinhos a partir dali quis descer, só acima e pra cima, onde depois disso poucas coisas que vieram foram comparáveis à esse período e obras... valeu por mais essa eudes...

hugo hugos disse...

Gostei do texto, valeu e obrigado

Iolando Valente disse...

Encontrei o número zero de Planetary na saudosa Gibi Mania,do Marquinhos,lá na Tijuca.É uma série que fica melhor cada vez que você lê e encontra inúmeras referências de cultura pop.É de pirar o cabeção!

Anônimo disse...

Noss que maravilha cara, tava doidão pra ler planetary, muito obrigado!

Davi Moraes disse...

Serio, Eudes! vc precisa colocar essas suas notas nos scans. São prefacios muito divertidos e que merecem estar integrados ao conteudo dessa hq maravilhosa. Pense a respeito.

Business

category2