segunda-feira, 4 de maio de 2015

Resenha: Iluminadas


RESENHA: ILUMINADAS
Autora: Lauren Beukes


Image and video hosting by TinyPic


Iluminadas, de Lauren beukes, é um livro que, se dependesse de mim, ficaria sem ser lido por muito tempo ou até mesmo nunca. Mas, graças a Deus pelas amigas de redes sociais. Conversando sobre livros com Dolphin di Luna, e trocando sugestões, ela me fala sobre Iluminadas. Mas, ela usa o termo-chave que me faz querer ler o livro de imeadiato: Viagem no Tempo!

Pela capa não dá pra ter essa empolgação. O livro carece de uma capa chamativa, que faça com que queiramos pegá-lo e ler a sinopse. Creio que venderia bem mais e, depois de lê-lo, pode-se imaginar mil capas impactantes para o mesmo. Talvez seja o seu único defeito. Fora isso, é uma viagem pela mente de uma escritora brilhante e inventiva, que ainda consegue nos fazer sentir medo e raiva.

O livro traça a trajetória de dois personagens principais: Harper Curtis, um perdedor que vive na década de 30, em plena Grande Dpressão e Kirby Mazrachi, que vive na década de 90, como estágiária de jornalismo esportivo no Chicago Sun-Times. O caminho dos dois se cruzam no final da década de 80. Violentamente.

Curtis se torna um serial killer dos mais diferentes: ele viaja para várias época, matando jovens mulheres previamente escolhidas quando as mesmas eram ainda bem jovens, adolescentes ou crianças ainda. Tudo se dá, quando Curtis se depara com uma casa abandonada e, ao entrar, percebe que ali há algo de diferente. Algo extremamente diferente. Em suas paredes está escrito os nomes de várias mulheres que ele sente que deve assassiná-las por ordem da própria casa. Além disso, no meio da sala há o cadáver de um homem, ao qual ele prefere ignorar.

Kirby Mazrachi é uma moça diferente, criada por uma mãe solteira um tanto quanto hippie. Kirby sofre uma tentativa de assassinato, mas sobrevive milagrosamente. A partir de então, fica obcecada em reencontrar seu assassino, para levá-lo a justiça. Como estagiária do Sun-Times, trabalha com Dan Velásquez, que já foi repórter investigativo e hoje cuida da seção de esportes e não quer mais se meter com crimes. Kirby, no entanto, não quer saber de esportes.

Como todo serial killer - ou a grande maioria deles - Curtis precisa marcar seu território, sua obra. Para isso, retira da pessoa, ainda quando ela era criança, algum objeto, que ele dará à vítima seguinte. Como os assassinatos acontecem nas épocas mais diferentes do século 20, obviamente as investigações de Kirby se tornam uma enorme dor de cabeça, na qual ninguém acredita e, às vezes, nem ela mesma.

Além de Kirby, Lauren Beukes nos traz a vida de cada vítima assassinada por Curtis. A riqueza de detalhes, em poucas páginas, faz parecer que cada personagem trágica, renderia um livro em separado. Vai de dançarinas que brilham (literalmente falando) até arquitetas bem sucedidas. Beukes faz com que criemos uma ligação com cada personagem, para que sua morte seja realmente pungente para nós.

Agora, por que a casa tinha esses nomes gravados em suas paredes? Quem o fez? Por que ela é um portal para várias épocas? Harper Curtis é comandado pela casa, ou é apenas mais um serial killer que sofre com alucinações? Algumas questões terão respostas, outras teremos que deduzir nós mesmos, ou quem sabe, criar nossas próprias teorias. No entanto, a verdade é uma só, Lauren Beukes vai fazer você pensar, tanto no passado, quanto no futuro.


Image and video hosting by TinyPic
Lauren Beukes


3 comentários:

joalfa666 disse...

Eudes, deu vontade louca de ler. E tem toda cara de virar seriado só pela tua resenha

robson firmino cavalcante disse...

valeu pela dica caro eudes...

Ygor Moretti disse...

A intriseca tem lançados otimos livros e todos assim meio despretensiosos, você não dá nada pelo livro mas acaba sempre sendo surpreendido. Cito A visita Cruel do tempo, muito bom!!!

Business

category2